Programas de Rádio e TV

Entrevista sobre “a internet e seu significado social” para o programa “Tela Universitária” – USCS
You Tube (parte 2/7 a 6/7)

Programa para a Rádio Gazeta Universitária
Tempos da Adversidade: a música e a sociedade brasileira: 1964 a 1979

http://www.4shared.com/audio/s4EhektD/Adversidade_1.html

http://www.4shared.com/audio/W1mq5WKk/Adversidade_3.html

http://www.4shared.com/audio/SYLo5AKQ/Adversidade_4.html

http://www.4shared.com/audio/8RCyN0gg/Adversidade_5.html

http://www.4shared.com/audio/xsBKI350/Adversidade_6.html

http://www.4shared.com/audio/RCNyJ1gv/Adversidade_7.html

O programa de rádio “Tempos da Adversidade” (07 inserções de aproximadamente 50 min.) foi produzido na Rádio Gazeta Universitária (Faculdade Casper Líbero) em 2004.
Não havia, nele, uma linha conceitual muito clara.

O nosso objetivo era o de tentar reproduzir a diversidade cultural (sonora) frente à adversidade política que vai de 1963 a 1979 (como brincávamos, era “o único programa que seria ouvido somente até a abertura”).

O título dos programas pretendia destacar a violenta adversidade política e a diversidade de temas e experiências musicais do período.

Encontramos algumas gravações raras na discoteca da Casper Líbero. Algumas poucas músicas saíram com pequenos “pulos”. Correria. Tempo curto para pesquisa e edição. O mp3 e o P2P estavam engatinhando ainda.

A vinheta de abertura usa a música Pipoca Moderna (música: Banda de Pífanos de Caruaru/letra:Caetano Veloso):
“Pipoca aqui, ali, pipoca além. Desanoitece a manhã. Tudo mudou”. Parecia um ótimo início.

As vinhetas intermediárias têm Chão, pó, poeira de Gonzaguinha. A vinheta final é Clube da Esquina de Milton e Lô e Márcio Borges.

Programa inspirado nos eventos que marcaram a discussão sobre os 40 anos do golpe militar realizado na Faculdade Cásper Líbero em 2004.

Anúncios

Programa de rádio "Tempos da Adversidade" a sociedade na música entre 1964 e 1979: colagens sonoras.

Depois de algum tempo, acho que vou conseguir disponibilizar um programa de radio produzido em 2004 para a Rádio Gazeta Universitária em 2004: “Tempos da Adversidade” (um trocadilho com as palavras “adversidade” e “diversidade”). Foram realizados sete programas. Trata-se de uma colagem sonora, centrada, particularmente, nas músicas do perído que vai de 1964 (O Golpe) a 1979 (Abertura).

A vinheta de abertura usa a música “Pipoca Moderna” de Caetano Veloso. “Pipoca aqui, ali, pipoca além. Desanoitece a manhã. Tudo mudou.”
Parecia um ótimo início.

Jogamos com a idéia de um Brasil em transe, inspirados no Glauber Rocha, e completamos, ironicamente, com a idéia de ser o único programa para ser ouvido somente até à abertura. A diversidade da expressão musical brasileira no período foi incrível. Diversos mundos musicais se entrecruzavam em meio à repressão e à ordem ditatorial. Jorge Ben cria “País Tropical” que pode ser considerada uma música “alienada” e “Cosa Nostra” em que descreve todo o pessoal do Pasquim.

As vinhetas intermediárias têm “Chão, pó, poeira” de Gonzaguinha. A vinheta final é “Clube da Esquina” de Milton e Lô e Márcio Borges.

Começamos com “Legalidade” de Juca Chaves, uma irônica análise de personagens envolvidos no retorno do regime presidencialista com Jango. A música de 1963.

Depois temos registros sonoros das tropas do 2º Exército a caminho do golpe, a tentativa de resistência no Sul com Leonel Brizola e a declaração de vacância da presidência da República pelo presidente da Câmara, Ranieri Mazzili.

Segue “Chove chuva” de Jorge Ben (hoje, Jorge Benjor)

Temos “Cavalo Ferro” de Fagner e Ricardo Bezerra. Apresentamos um Fagner que poucos jovens conheceram. Ele fazia parte de um movimento conhecido como o “pessoal do Ceará” com Ednardo, Belchior, Mona Gadela e outros. Havia uma rivalidade entre os cearenses e os baianos, representados por Caetano, Gil e outros. No programa, na apresentação dos créditos ficou “Cavalo de Ferro”, mas o correto é “Cavalo Ferro”, mesmo. O trabalho de pesquisa e produção foi muito corrido e alguns erros apareceram. Sempre que possível vamos indicá-los.

Segue Gilberto Gil com a sua “Back in Bahia” e Walter Franco, considerado um compositor “maldito” (ao lado de Jards Macalé e Jorge Mautner), com a sua “Lindo Blue”.

O registro sonoro que aparece no final do primeiro bloco é da peça “Liberdade, Liberdade” de Flávio Rangel.

O segundo bloco começa com o show “Banquete dos Mendigos”, organizado por Jards Macalé no Rio em 1973 ( o disco só foi liberado em 1979). Conta com a apresentação do MPB-4 com composições de Paulo César Pinheiro e Marcelo Tapajós (“Pesadelo”) – , seguida com Chico Buarque (“Quando o Carnaval Chegar”, “Bom conselho” e “Jorge maravilha”. Ver o blog Cantina do Rock. Você deve estar pensando o porquê de um show de MPB estar em um blog de rock. É que Raul Seixas cantou ‘Cachorro Urubu” nesse show. A música aparece em outro programa do Tempos da Adversidade.

Para finalizar, Roberto Carlos e a propaganda da Shell e sua “gasosa com ICA” .

No terceiro bloco, abre a linda “Cinema Olympia’ de Caetano Veloso, com Elis Regina. O universo do cinema, o espírito da matinês, está aqui.

PUBLICAÇÃO NO SITE DA RÁDIO UNIVERSITÁRIA
Tempos da Adversidade estréia na Rádio Universitária
Por Rodolfo Albiero,
Editor do site de Cultura
http://www.facasper.com.br/cultura/site/noticia.php?tabela=&id=120

Nesta quinta-feira, dia 1º, a Rádio Gazeta AM Universitária estréia o programa Tempos da Adversidade. A produção é uma parceria entre a emissora e a Coordenadoria de Cultura Geral. “Dentro da temática dos 40 anos do golpe, procuramos fazer um levantamento da sociedade brasileira por meio da música”, afirma o coordenador de Cultura Geral Liráucio Girardi Júnior, idealizador do projeto.

Tempos é uma série de sete programas que irá ao ar diariamente, das 23h à 0h. A Rádio Gazeta Universitária é sintonizada na freqüência AM 890 Khz. “O programa não pretende ser didático. É um exercício sonoro, de contrastes e aproximações. As músicas, por exemplo, não seguem uma ordem cronológica”, explica Girardi.

O nome da atração programa explora o jogo de palavras entre diversidade e adversidade. A intenção é lembrar os momentos difíceis da ditadura e, ao mesmo tempo, recordar a pluralidade do período.

Tempos da Adversidade foi produzido pelos estudantes Biancamaria Binazzi e Fábio Cacossi, da Rádio Universitária e contou com a colaboração dos alunos Emanuel Bonfim, Afonso Capellaro, Lendro Cacossi e Daniela Dias.

Geraldo Vandré, Ronnie Von, Cartola, Chico Buarque, Caetano Veloso, Gal Costa, Nara Leão, Gonzaguinha, Gilberto Gil, Waldick Soriano, Adoniran Barbosa, Elis Regina, Belchior, Wilson Simonal são alguns dos cantores selecionados. Tempos também trará registros sonoros da época, como discursos, poemas, trechos de peças teatrais, jingles e prefixos de rádio.

O coordenador da Rádio Universitária Pedro Vaz acredita que o programa é uma proposta de discussão da nossa história e não apenas saudosismo. “Os cantores e compositores usavam a música não só como denúncia e protesto, mas também como um meio de alertar a população para fatos que ocorriam na época”. Vaz acrescenta que os ouvintes poderão encontrar pontos em comum daquele período com a atualidade.

Tempos da Adversidade
Rádio Gazeta AM Universitária – AM 890 Khz
Estréia: quinta-feira, 1º/04
Horário: 23h às 0h