Quando informação é poder?

Os projetos de liberação de dados na rede são fundamentais para a transparência necessária à cidadania. Há uma dissertação defendida recentemente por Daniela B. Silva que analisa as discussões sobre o tema: “Transparências na esfera pública interconectada” (Twitter de Daniela B. Silva)

Outros pesquisadores observam que é necessário pensar os formatos de registro e distribuição de dados que possam ser reconhecidos por agentes não-humanos capazes de processar milhares de informações como estas. Do mesmo modo, atribuir a agentes não-humanos esse processo não é visto sem ressalvas. A produção de “constelações de sentido”, para usar uma expressão de Benjamin, não se dá pela simples disponibilização de dados.

O jornalismo, as relações públicas e a publicidade devem prestar bastante atenção ao que está acontecendo e devem se cercar do apoio de especialistas em análise de dados. Estamos trabalhando sempre com representações e elas não são espontâneas. São construídas.
Dêem uma olhada nesse artigo de Simon Rogers: Information is power (Data Blog – Guardian)

P.S.: certo…não vamos falar dos “dispositivos” (Foucault) e dos “agenciamentos” (Deleuze).

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s