Como são as coisas…

Era mais uma lista de e-mails passada entre os amigos. Amigos de Faculdade, marcando um aniversário. Longe do Rio de Janeiro.
No e-mail, um pedido para que visitassem o blog de apoio ao Dr. Joaquim Ribeiro.
Um dos amigos da lista, responde assim:

Caro Lira,

o mais louco dessa história, é que minha mãe foi paciente da fila de transplantes do Rio – Transplantes e acabou fazendo o transplante de fígado com o DR JOAQUIM e sua equipe. O que ficou em mim, foi a memória de um pessoal que trabalhava sério, que vibrou conosco o sucesso de uma cirurgia que levou 14 horas e que, depois, chorou conosco quando ela faleceu, 40 dias depois, por uma doença cardíaca que, a princípio, nada tinha a ver com o procedimento do transplante. Assim, agora, fiquei muito abalado com toda essa história em relação a ele…

A maior loucura de tudo isso é ele ser seu parente e ter feito parte da minha vida num outro espaço/tempo…

Posso publicá-la, Paulo?

O transplante da minha mãe ocorreu em 1999 (não me lembro exatamente o mês, mas foi algo entre julho e setembro). O nome dela era Dulce Moreira da Silva. O meu é Paulo Cesar da Silva.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s