crescer com a manhã

“O belo foi aprender a não se saciar
da tristeza nem da alegria,
esperar o talvez de uma última gota,
pedir mais ao mel e às trevas.
Talvez fui castigado:
talvez fui condenado a ser feliz.
Fique afirmado aqui que ninguém passou perto de mim sem me compartir.(…)
Eu gostava de crescer com a manhã,
embeber-me de sol,
com pleno gozo de sol, de sal, de luz marinha e onda,
e nesse avanço da espuma
fundou meu coração seu movimento…”

(A lua no labirinto – pleno outubro. Pablo Neruda)

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s